sexta-feira, fevereiro 09, 2018

Sobre verbas e escolas


Para as escolas de todo o Brasil
Há anos desenvolvo trabalhos em escolas. Já vi muita escola devolver dinheiro para o governo por não saber como usar ou ter medo de não saber prestar contas.
Utilizam somente a verba da manutenção. As verbas para formação e atividades culturais são devolvidas sem arrependimento.
Se tiver alguma escola nessa situação me chama. Vamos fazer um trabalho legal aí: Palestra para os alunos, oficinas de formação para os professores, grafitagem nos muros da escola e etc. Tenho nota fiscal eletrônica de venda e de serviços e possuo todas as declarações e os documentos necessários para a realização desses trabalhos em escolas públicas. E se precisar ainda empresto a minha contadora para assessorar a escola na prestação de contas.
Evite devolver esse dinheiro. Daqui a pouco os governos vão pensar que as escolas não necessitam dessa verba.

Vejam as oficinas e palestras que ofereço:
- Palestra Minha Literatura, Minha Vida - 1h30 (Para alunos acima de 8 anos e/ou professores em horário de ATPC e outros momentos de formação).
- Oficina de Mediação de Leitura - de 2h à 12h, depende da necessidade da escola (Para todo o corpo docente e demais funcionários da escola)
- Oficina de Criação Literária - de 4h à 12h (Para alunos acima de 12 anos e professores)
Mais informações é só chamar in box ou no e-mail: sacolagraduado@gmail..com

Literatura e Paisagismo

Mais um muro recuperado na quebrada, por meio da literatura, do grafite e do plantio de árvores.
24ª intervenção do projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada.
E.M Amália Maria de Jesus - Jd. Revista - Suzano - SP
Ideia, textos e concepção: Escritor Sacolinha
Releitura das ilustrações do livro Peripécias de minha infância
Artista urbano: Vander Che 

ANTES

DEPOIS

sexta-feira, janeiro 12, 2018

1ª promoção do ano!



A 5ª edição do Fanzine Vasto custa R$ 15,00 com o frete, mas se você tiver uma história dá hora pra contar sobre qualquer um dos meus 7 livros, você não paga nada e recebe em casa esta publicação que reúne 11 contos de 11 autores que participaram da Comunidade do Conto no ano passado.

Vamos lá?
É fácil: pode ser um acontecido, uma lembrança, um episódio que você acha que vale a pena eu ficar sabendo. Pode mandar por qualquer meio: nos comentários, in box, por e-mail e etc.

E não esqueça de enviar seu endereço postal para o envio do fanzine. 40 exemplares estão separados para esta promoção e já começam a ser enviados na segunda-feira que vem.
Aproveita, pois com esta crise, nem injeção na testa de graça a gente consegue.


sexta-feira, dezembro 08, 2017

Neste sábado tem...

Neste sábado 09/12 às 13h, a Casa de Cultura Raul Seixas recebe o escritor Sacolinha com o projeto Minha Literatura, Minha Vida. 
         Na ocasião Sacolinha convida o ilustrador João Pinheiro, a coordenadora do Sarau LiteraturaNossa Landy Freitas, o escritor Sidney Leal, o percussionista Valter Passarinho, o rapper e cartunista Walter Limonada e a fotógrafa Xica Lima para bater um papo sobre cultura, literatura, artes e afins. Após o bate papo os convidados realizarão um sarau.     
Simultaneamente, no entorno do espaço, acontece a intervenção do projeto Literatura e Paisagismo – Revitalizando a Quebrada com o grafiteiro Vander Che. A intervenção consiste na realização de grafite com poesia e plantio de árvores.
Haverá, também, sorteio de 5 livros do escritor Sacolinha para o público presente. 
           A atividade é uma realização da Associação Cultural Literatura no Brasil e escritor Sacolinha, apoiada pela Secretaria da Cultura da cidade de São Paulo, Casa de Cultura Raul Seixas e pela vereadora Juliana Cardoso.

sábado, novembro 25, 2017

Vem aí!!!

Salve, povo!
É com muita satisfação que anuncio o 1º Festival do Livro da E.E. Antônio Brasílio Menezes da Fonseca. Uma realização da Escola Estadual ABMF, Associação Cultural Literatura no Brasil e Vasto Mundo.
Homenageada: Carolina Maria de Jesus
Tema: Educação, Negritude e Protagonismo Juvenil

Além das palestras, do sarau, do grafite no muro da escola e da oficina de DJ's, teremos a distribuição gratuita de 500 livros.

Confira a programação e veja a atividade que lhe interessa.
É tudo gratuito e aberto pra comunidade.

Obs: Atenção professores de outras escolas que querem vir e trazer seus alunos. Vocês são bem vindos.



sexta-feira, novembro 17, 2017

sábado, novembro 11, 2017

Microconto

Cartão postal do projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada
Jd. Revista - Suzano - SP - Brasil

terça-feira, novembro 07, 2017

Novembro

Mês da Consciência Negra. Viva Zumbi dos Palmares!
Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada. 
Jd. Revista - Suzano - SP - Brasil

Postal

 Inveja
A idade adulta me trouxe a dor de cotovelo.
As crianças são o meu alvo.
Morro de inveja delas.

Sacolinha


Cartão postal do projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada. Jd. Revista - Suzano - SP - Brasil.

domingo, outubro 29, 2017

Rumo à 3ª edição

Esgotada a 2ª edição do livro "Graduado em Marginalidade".
Este que foi o meu 1º romance, lançado em agosto de 2005, teve várias reimpressões nestes anos todos. Trouxe-me muitas alegrias e me levou para todo o país, aliás, conheci o Brasil todo graças ao "Graduado em Marginalidade". Um livro que gerou ameaças de morte e ainda fez com que pessoas brigassem fisicamente para lê-lo. Um livro que virou best seller, inclusive, na Fundação Casa. Por fim, é meu livro de estréia, que 12 anos depois ainda é meu livro mais comentado e estudado nas universidades do Brasil, EUA, França e México. 70% da minha fortuna crítica é dominada por Graduado em Marginalidade.
E pra que isso continue, ano que vem será lançada a 3ª edição, com nova capa, novo formato e nova editora.

sábado, outubro 28, 2017

Postal molhado

Por que sou Como a água do rio...

Postal da periferia

Cartão postal do projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada. Jd. Revista, Suzano, SP, Brasil.

Declaração de amor!


Alguém beijou uma ilustração do projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada, na E.E. Jandyra Coutinho, onde os adolescentes leram e estão lendo o "Peripécias de minha infância". Isso sim é uma declaração de amor.

Já faz 1 ano!

Dia 22 de outubro agora completou 1 ano do lançamento do meu 7º livro "Brechó, Meia-noite e Fantasia". Dia 22 de outubro de 2016.

Já fizemos uma reimpressão e, ao que tudo indica, a 3ª reimpressão não tarda.



quarta-feira, outubro 18, 2017

Cartão Postal

Projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada. Jd. Revista - Suzano - SP - Brasil

sábado, outubro 14, 2017

Já assistiu?



Matéria da TVT sobre o projeto Literatura e Paisagismo - Revitalizando a Quebrada!

sábado, outubro 07, 2017

Reimpressão

Acabou de ficar pronta a reimpressão do livro "Brechó, Meia-noite e Fantasia". O livro de contos que teve a sua primeira tiragem esgotada em setembro agora é reimpresso para atender, além dos leitores comuns, às várias unidades escolares que estão adotando a obra para leitura dos seus alunos.
Tem muita gente lendo o "Brechó...". E você, já leu?
Adquira o seu clicando aqui

sexta-feira, outubro 06, 2017

Crônica da semana

Literatura e Paisagismo
Revitalizando a Quebrada, Revitalizando vidas
Escritor Sacolinha
25/09/2017


Tenho um lado empreendedor. Gosto de me concentrar em meus projetos com disciplina e respeito pelo que faço.
Em maio de 2017 resolvi colocar em prática uma ideia que estava em minha gaveta de projetos. Os motivos foram vários, entre eles a necessidade de inovar.
Em 2002 fundei a Associação Cultural Literatura no Brasil, pioneira na criação de novas mídias para o incentivo à leitura. Neste sentido inserimos poesias em imãs de geladeira, canetas, cartões postais e camisas. Até CD’s e vídeos de poesia nós fizemos. Então resolvi investir em algo mais ousado.
O Literatura e Paisagismo envolve a pintura de muros abandonados, com cores, grafites de poesia ou trechos de livros, além da limpeza do espaço ao redor e do plantio de uma ou mais árvores. A proposta inicial era a divulgação dos meus textos literários, a revitalização dos espaços da periferia e o incentivo à leitura. Mas quando eu coloco um projeto em prática, confesso que não tenho ideia de onde vai chegar E é isso o que está acontecendo. Todo o dinheiro para a realização deste projeto vem do meu bolso. Preciso de tinta para fazer o fundo, latas de sprays e às vezes pago alguém para me ajudar na pintura. E tem o pagamento do artista urbano (grafiteiro), pois não peço nada de graça aos artistas. Gosto que valorizem o meu trabalho, então valorizo o dos outros.
Vez ou outra algum amigo doa uma lata de tinta ou dinheiro para ajudar, mas a maior parte dos custos saem do meu bolso. E não é pouco! Dependendo do tamanho do espaço a ser revitalizado o valor total fica em R$ 700,00. E faço no mínimo duas intervenções por mês. Ou seja, tenho um total de gastos de mais de hum mil reais mensal com este projeto. O dinheiro sai das vendas dos meus livros e das minhas palestras, onde eu tiro metade para pagar as contas de casa e a outra metade para o Literatura e Paisagismo.

E porque faço isso?
Primeiro porque, como disse no início desta crônica, sou um empreendedor. E segundo porque eu acredito no que faço. Gosto de colher, mas pra não ficar ansiando a colheita, me ocupo em plantar.
Na maioria das intervenções sempre tem alguém desconfiado: “Você vai sair candidato?” ou então “O que você vai ganhar com isso?”.
Não culpo as pessoas por pensarem sempre no ganho, até porque fomos educados assim. Então respondo que financeiramente não estou ganhando nada. Inclusive abro um parêntese aqui para informar que até hoje, desde que eu iniciei o projeto, 4 meses e meio, só vendi um livro como resultado direto dessas ações. Fechando o parentese e continuando. Aí o morador, curioso e indignado insiste na pergunta: “Como assim, não vai ganhar nada?” E eu digo que ganho quando vejo alguém lendo o que eu escrevi; que ganho quando a vizinha vê como o local ficou bonito e aproveita pra limpar a frente da sua casa também, e com isso o nosso bairro fica melhor e minhas filhas crescem tendo orgulho do lugar onde moram.

Não consigo deixar o morador feliz com a resposta. Aí digo que ganho também quando as pessoas, estimuladas pelo o que leem nos muros, vão até a minha página na internet e compram um livro meu. Só aí é que ele vai embora satisfeito. Mas eu ainda não tinha noção do que seria um verdadeiro ganho, até o dia em que eu estava revitalizando um ponto de ônibus bem perto da minha casa. Pra recuperar aquele espaço público precisei fazer muitas coisas, desde solicitar autorização da prefeitura até pedir água de uma casa para lavar as paredes do ponto de ônibus. No fim do dia da intervenção, quando o grafiteiro já havia ido embora eu capinava sozinho o mato atrás do ponto de ônibus, brigando com pernilongos e escorpiões. Eu estava me perguntando se precisava de tudo aquilo, de todo aquele capricho, se dali há alguns dias estaria tudo sujo novamente. Aquele tempo em que me dedicava ali eu poderia estar com a minha família. Será que valia à pena?

Aí apareceu um senhor negro de cabelos brancos que havia passado por ali de manhã, quando eu iniciava a pintura. E em seu retorno na parte da tarde parou e ficou observando. Passei o braço na testa pra limpar o suor e fiquei prestando atenção na reação dele. Neste instante ele olhou pra mim levantou o dedo polegar direito e disse com uma sinceridade que eu jamais presenciei:
- Ó, parabens viu? Você está de parabéns! Ficou muito bonito e de bom gosto.
Eu sorri e disse obrigado. Quando ele virou as costas, fiz um giro com o olhar naquela periferia, naquele meu bairro. Perguntei-me outra vez: Vale à pena Sacolinha?
E repeti novamente o elogio daquele morador negro de cabelos brancos:
- Ó, parabens viu? Você está de parabéns! Ficou muito bonito e de bom gosto.

Meus olhos marejaram. Nunca recebi pagamento melhor.





quarta-feira, outubro 04, 2017

ESTAÇÃO TERMINAL

Salve, povo das Letras e leitores do romance Estação Terminal. Este livro lançado em 2010 acaba de ganhar uma resenha em vídeo. Resenha de quem vive e mora no assunto abordado no livro.

terça-feira, outubro 03, 2017

Comunidade do Conto

O troço é simples!

Comunidade do Conto é uma escola de contistas. Por isso aqui todos aprendemos. Nesta escola não existe escritor profissional, famoso ou amador. Todos ficam no mesmo patamar, porque aqui não somos escritores, somos seres humanos que a cada edição evoluem no saber "ouvir e criticar".
Mas cuidado, não venha desavisado, muito menos armado. Que nesta escola gostamos de levar porrada e de ser criticado. Quer ouvir elogios e palmas? Vai ao sarau, pois aqui é um momento de falarmos de nossos escritos e no que precisamos melhorar. É melhor se preparar entre amigos do que estar despreparado para os inimigos, que estes não tem dó, nem piedade na hora das críticas.

Esta é a última edição do ano. Quem vem amanhã participa da discussão sobre o tema "Paródia" e tem um mês pra escrever um conto, que será apresentado no dia 01 de novembro. E se o seu texto for bem avaliado ele será publicado na 5ª edição do Fanzine VASTO, publicação da Associação Cultural Literatura no Brasil em parceia com a Secretaria de Cultura (Prefeitura de Suzano) que será lançada no dia 06 de dezembro, com 1000 exemplares distribuídos gratuitamente em todo o Brasil e fora dele.

PS¹: Quem não é contista mas se interessou pelo tema, também pode vir.

PS²: Só poderá participar em novembro com o conto quem vier na discussão.

PS³: A Lari Lisboa é uma dessas mulheres porretas. Prometo que amanhã será uma noite de aprendizado que em nenhum outro lugar você terá chance de adquirir.



PS final: A atividade de amanhã tem duração máxima de duas horas.



Data 04/10/2017 - às 19h30
Local: Centro de Educação e Cultura "Francisco Carlos Moriconi"
Rua Benjamin Constant, 682 - Centro - Suzano - SP
Informações: (11) 99526-3561 - Whatsapp

...


segunda-feira, outubro 02, 2017

Lançamento duplo em 2010

E lá se vão 7 anos do lançamento dos livros "Peripécias de minha infância" e "Estação Terminal"


domingo, outubro 01, 2017